Vantagens e desvantagens em trabalho de turnos de trabalhadores químicos

Autores

  • Remígio Todeschini Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.33637/2595-847x.2021-55

Palavras-chave:

saúde do trabalhador, saúde física e mental no trabalho de turno, satisfação no trabalho de turno, convivência social e familiar no trabalho de turno.

Resumo

O objetivo da pesquisa foi investigar os efeitos do trabalho de turno, de acordo com o tipo de jornada de turno e número de folgas. A revisão da literatura demonstra efeitos adversos do trabalho em turnos sobre a saúde física e mental, vida social e familiar. Foram respondidos 508 questionários com processamento de dados feito pelo SPSS e Iramuteq. Desde a promulgação da Constituição de 1988, que estabeleceu o limite de seis horas para jornada diária do trabalho em turnos ininterruptos de revezamento, antes feito pelo revezamento de quatro grupos de turnos por oito horas de jornada diária, ocorreram acordos coletivos de trabalho para o cumprimento do limite constitucional com a implementação da quinta turma. Os problemas psíquicos em turnos fixos noturnos e vespertinos, das jornadas sem quinta turma, são respectivamente o dobro e 50% maiores do que na quinta turma. Na discussão vê-se que todos trabalhadores confirmam os efeitos nocivos do turno da literatura. É possível que o número maior de folgas diminua os efeitos nocivos do turno sobre a saúde, vida social e familiar. Conclusões: No caso da quinta turma, quanto maiores forem os dias de folgas, e maiores os adicionais financeiros de turno, haverá menos problemas de saúde física e mental, e melhoria no convívio social e familiar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Remígio Todeschini, Universidade de Brasília

Doutor em Psicologia Social do Trabalho e das Organizações pela Universidade de Brasília.

Downloads

Publicado

2021-04-10

Edição

Seção

Artigos