A formação do estigma das travestis no Brasil: mercado informal, precariedade e trabalho sexual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33637/2595-847x.2022-101

Palavras-chave:

Informalidade, Trabalho travesti, Travestilidade, Precarização

Resumo

Esse artigo busca compreender a ocupação das Travestis no mercado de trabalho no Brasil por meio de uma análise crítica da historicidade do Direito do Trabalho, cuja estrutura jurídica patriarcal, racista e heterocisnormativa relegam os ‘corpos estranhos’ dissidentes a espaços específicos, no caso de travestis, principalmente ao trabalho sexual e, quando muito, ao setor de telemarketing ou salões de beleza. Para tanto, procedeu-se a uma consulta bibliográfica, priorizando pesquisadoras mulheres trans* e travestis, para analisar a construção e percepção do gênero no Brasil e as suas vivências no plano laboral marcadas pela marginalização, informalidade e precarização. A partir dessa pesquisa, conclui-se pela necessidade de uma refundação do Direito do Trabalho sob a luz da Teoria Queer a qual se propõe a romper com o essencialismo do Direito do Trabalho como forma de contemplar os corpos plurais sobre os quais as leis trabalhistas não se apresentam como instrumento de tutela.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-03-02

Edição

Seção

Trabalho e Informalidade